22/12/2012

poema de natal: balada do filho da puta

Sabe-se que não há como fazer julgamentos morais com relação ao desenrolar da história - não se julga pessoas, grupos e classes sociais, povos.

O que se busca entender são as leis complexas, e às vezes obscuras, que conduzem ou motivam as ações de povos, pessoas e classes sociais. E, de posse da compreensão dessas leis, há movimentos, pessoas e partidos que tentam combater os efeitos irracionais dessas leis históricas, propondo a construção de um mundo menos estúpidamente conduzido por leis impesssoais e muitas  vezes desumanas.  Geralmente a esses moviemntos e pessoas se dá o nome de esquerdistas, socialistas, comunistas, revolucionários, e por aí afora.

E há também poetas que acreditam e combatem nessa construção de um outro mundo. Só que poetas não precisam ser tão respeitosos, não precisam seguir à risca a idéia de que não se pode julgar pessoas e popvos. O poeta tem mais liberdade, mais margem de manobra do que inteclecutais, filósofos, cientistas políticos, miliatntes etc.

Só o poeta pode às vezes dar nome aos bois, chamar de filhos da puta aquels que sustentam o capitalismo, ou que ao menos se alimentam das torpezas produzidas pelo capitalsimo. O poeta  às vezes precisa ser de fato profeta, apontar o dedo, acusar impiedosamente, falar em função daquilo que vê e sente aqui e agora, e não em função daquilo que se acredita construir para daqui a décadas ou séculos. O poeta pode e deve chamar de filho da puta àquilo que é filho da puta.

Por isso, ao invés de lembrar o Natal com um poema redentor, crente,  crítrico, amargo ou esperançoso, às vezes é bom variar. Apenas um poema lembrando da existência de filhos da puta, grandes ou pequenos, mas que de qualquer forma alimentam, sustentam a torpeza e a barbárie capitalista atual.

Claro que não são as pessoas, em última instância,  que produzem  o capitalismo ou o socialismo. Mas para o poeta e o profeta existem escolhas, existem projetos de vida e, para eles,  com certeza que muito dos projetos de vida dos capitalistas e de seus alegres agregados é que sustentam o capitalismo e suas torpezas.

Para o poeta  e o profeta com certeza que as utopias do Natal  dos cristãos não estariam tão longínquas, se não houvesse em todos nós humanos uma sedutora e obscura possibilidade de nos transformamos todos em filhos da puta, grandes ou pequenos, disfarçados ou ostensivos, elegantes ou vulgares. Uma possibilidade presente até mesmo nos poetas e profetas. São as contradições de nossa condição humana - com certeza que Freud ainda será muito solicitado pela humanidade, nessa construção de um mundo menos estúpido e irracional.

E parece que a primeira tarefa a realizar, para evitarmos essa perigosa possibilidade, é exatemente estarmos cientes dessa possibilidade de nos transformamos em filhos da puta, é exatamente estarmos lúcidos com relação á hipocrisia, à má fe e aos nossos malabarismos verbais e intelectuais. Afinal, mesmo combatendo o capitalismo, dentro dele ninguém está a salvo.

É preciso outra espécie de compromisso, além do compromisso político, moral. artístico ou humanitário. É preciso um compromisso transcendente, cósmico, um compromisso com o próprio desvelar do Ser e do Mistério.

Aquela espécie de profundo, metafísico  e reverente compromisso que o Cristo do Natal propôs e assumiu, e que depois a História, os filósofos e a Igreja Católica reduziram a imensões bem menores.   
Vamos, então, a um poema de Natal mais apropriado à nossa época (ainda bem que em Portugal os poetas ainda não precisam ser tão politicamente corretos).  

Embora outros poemas mais propriamente de Natal possam ser lidos aqui. 


balada do filho da puta

II
o grande filho-da-puta
também em certos casos começa
por ser
um pequeno filho-da-puta
e não há filho-da-puta
por pequeno que seja
que não possa
vir a ser
um grande filho-da-puta
diz o grande filho-da-puta.

no entanto, há
filhos-da-puta
que já nascem grandes
e
filhos-da-puta
que nascem pequenos
diz o grande filho-da-puta.

de resto,
os filhos-da-puta
não se medem aos palmos,
diz ainda
o grande filho-da-puta.

o grande
filho-da-puta
tem uma grande
visão das coisas
e mostra em
tudo quanto faz
e diz
que é mesmo
o grande filho-da-puta.

por isso
o grande filho-da-puta
tem orgulho em
ser
o grande filho-da-puta.

todos
os pequenos filhos-da-puta
são reproduções em
ponto pequeno
do grande filho-da-puta
diz o grande filho-da-puta.

dentro do
grande filho-da-puta
estão em ideia
todos os
pequenos filhos-da-puta
diz o grande filho-da-puta.

tudo o que é bom
para o grande
não pode
deixar de ser igualmente bom
para os pequenos filhos-da-puta
diz o grande filho-da-puta.

o grande filho-da-puta
foi concebido
pelo grande senhor
à sua imagem e
semelhança,
diz o grande filho-da-puta.

é o grande
filho-da-puta
que dá ao pequeno
tudo aquilo de que ele
precisa
para ser o pequeno filho-da-puta,
diz o grande filho-da-puta.

de resto,o grande filho-da-puta vê
com bons olhos
a multiplicação
do pequeno filho-da-puta:
o grande filho-da-puta
o grande senhor
Santo e Senha
Símbolo Supremo
ou seja, o grande filho-da-puta.

alberto pimenta  - portugal  (1937  -    )



vídeo: conto de fadas, taxar os ricos

será que o pt vai mesmo surpreender?

Interessante: no dia seguinte à publicação neste blog da postagem abaixo, na qual Gilberto Maringoni trata com precisão das limitações e contradições do PT, e três dias depois da fala de Lula, propondo uma retomada das ruas, eis que Zé Dirceu elabora um diagnóstico preciso, cortante, da realidade contraditória e vivida pelo PT, mas realidade provocada e cultivada pelas próprias cúpulas do PT, da qual Zé Dirceu é  talvez  a figura mais proeminente.

Neste momento apreensivo, em que a esquerda latinoamericana vê com esperançosa expectativa os desdobramentos da provável sucessaõ de Chávez no coamdo da ousada revolução bolivariana da Venezuela, tomara que, aqui no Brasil,  a lucidez de Zé Dirceu se traduza em atos concretos de resgate das propostas originais e ousadas do PT de antes de 2002, tomara que ainda haja tempo de a militância e os quadros do PT ainda surpreendeerem e efetivarem a sua própria superação.
Senão teremos que atravessar um longo poríodo de reinvenção da esquerda brasileira, de recriação de um partido efetivamente combativo, popular e orgânico., tal como foi o PT até a eleição de 89. 
Confira abaixo as falas de Zé Dirceu e Lula - a íntegra do texto está em Carta Maior:


LULA E DIRCEU: AS RUAS E A LUTA PELA HEGEMONIA

Lula:"No ano que vem, para alegria de muitos e tristeza de poucos, voltarei a andar por este país. Vou andar pelo Brasil porque temos ainda muita coisa para fazer, temos de ajudar a presidenta Dilma e trabalhar com os setores progressistas da sociedade" (Lula, na posse da nova diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, nesta 4ª feira, 19-12). Dirceu: "O PT falhou ao não estimular, nos últimos anos, uma "comunicação e uma cultura" de esquerda no país. Até nos Estados Unidos tem isso, jornais de esquerda, teatro de esquerda, cinema de esquerda. É uma esquerda diferente, deles, mas que é totalmente contra a direita. Aqui no Brasil não temos nada disso.A classe média está vivendo num paraíso, e isso graças ao Lula. Mas, ao mesmo tempo, está sendo cooptada por valores conservadores. Já disse a Lula que o jogo pode virar fácil. Nós [PT] não temos a maioria, a esquerda ganha eleição no Brasil com 54% dos votos"(José Dirceu;Folha de S Paulo; 22-12-2012)

única sabedoria

a única coisa que sabemos
é aquilo que nos espanta:
que tudo passa, como
se já não tivesse passado

silvina ocampo -  argentina (1903 - 1993)
tradução: roberto soares


*******************

ÚNICA SABIDURÍA
Lo único que sabemos
es lo que nos sorprende:
que todo pasa, como
si no hubiera pasado.






21/12/2012

o pt ainda pode surpreender?

Enquanto na Venezuela se discute febril e ansiosamente o futuro da revolução  bolivariana, com o provável afastamento de seu líder maior, no Brasil o que chama  a atenção é a estranha passividade com que o PT aceita os ataques do judiciário e da mídia ao seu líder maior. 

Gilberto Maringoni, no texto abaixo, retrata com competência o porquê dessa passividade, como ela é fruto de uma opção política. Opção que, sem dúvida nenhuma, tem feito avançar as transformaçãoes sociais e econômicas no país governado pelo PT, mas que têm também seus limites e contradições. 

Na verdade, há já muitos anos que se sabe que a grande questão é definir até quando o PT e os seus governos  poderão resistir a esses ataques, pressões e até quando poderão resisitir às  suas próprias contradições.
Há muitos anos já se sabe que o que importa é definir se o PT será capaz de superar a si próprio, ou se terá daqui a alguns anos cumprido o seu papel histórico, dando lugar a aoutras forças de transformação social no Brasil. 

Tudo pode acontecer, afinal quem conhece e vivencia o PT sabe que apesar de suas contradições e apesar das escolhas e imposições de suas cúpulas, sabe que o PT ainda é capaz de surpreender.  

*****************************

Não se mexe em time que está apanhando
Por que o PT fica passivo diante dos ataques que sofre da mídia? Por que o partido não reage diante de óbvios vícios no chamado processo do mensalão? Por que não colocou em pauta a CPI da Privataria? Essa passividade foi meticulosamente construída para fazer da sigla uma máquina eleitoral eficiente, mas desfibrada para disputar a hegemonia na sociedade
por Gilberto Maringoni, em cartamaior


A passividade quase letárgica que o PT exibe nesses dias de ataques da mídia não é obra do acaso. É construção de mais de duas décadas, desde pelo menos o início dos anos 1990. Naquela ocasião, a direção do então Campo Majoritário decidiu que o partido precisaria se apresentar de forma mais moderada para ganhar o eleitorado de classe média e facções do empresariado em sua jornada para fazer de Lula presidente do Brasil.


Começou ali um processo de duas vias. De um lado, isolava-se a esquerda interna, tirando-a de postos de direção. De outro, tinha início uma paulatina moderação nas propostas programáticas. Não foi uma rota tranqüila. Houve expulsões de correntes – como a Convergência Socialista, em 1992 – e o episódio traumático da cassação da candidatura de Wladimir Palmeira a governador do Rio, em 1998. A postulação do então deputado federal pela sigla jogava areia numa articulação maior, que visava fazer de Leonel Brizola vice na chapa de Lula. Para tanto, o PDT reivindicava Antony Garotinho na cabeça de chapa estadual.


No terreno programático, temas como renegociação da dívida externa ou estatização do sistema financeiro deram lugar à Carta aos Brasileiros, em 2002, que advogava o cumprimento estrito dos contratos firmados pelos governos tucanos.
Como tática eleitoral, a moderação e o transformismo foram um sucesso. O PT cresceu em número de votos pelo país. Mas começou a ficar perigosamente parecido com os demais.


Rebeldia como problema
A expansão da máquina partidária e a profissionalização de parte da militância como funcionários de prefeituras e governos de estado, ao longo desses anos, acentuaram uma diluição tática. A rebeldia deixava de ser vista como fenômeno positivo e passara a ser encarada como ruído a ser removido do comportamento político coletivo.


A partir da eleição de Lula, em 2002, a passividade ganhou ares de grande sabedoria. “Agora somos governo e temos de ir com calma” e “olhem a correlação de forças” passaram a ser o fraseado corrente, a justificar a defesa e aprovação de propostas impensáveis à agremiação de anos antes, como a reforma da previdência, a lei de falências ou a entrada de capital externo nas empresas de mídia.


O partido paulatinamente deixou de disputar hegemonia na sociedade; passou a disputar apenas votos. Abandonou um projeto de poder – entendido aqui como projeto para dirigir o país – e tornou a conquista de pedaços do aparelho de Estado em sua atividade-fim. Nessa lógica de eleição a qualquer custo, o centro da atividade partidária passou a ser a constituição de governos de coalizão.


Coalizões amplas são necessárias para se potencializar a luta política e isolar adversários. Para o PT real, as coalizões tornaram-se úteis para a obtenção de maiorias parlamentares, mesmo que inimigos de outros tempos estejam abrigados sob o guarda-chuva da máquina pública.


O ambiente de pragmatismo a toda prova pauta a montagem do governo federal. Como a militância poderia investir contra a direita, se vários de seus membros mais ilustres, como Jorge Gerdau, Paulo Maluf, José Sarney, Michel Temer e outros estão abrigados sob as asas do condomínio governista?


Ambigüidades nas críticas
Os petistas não podem se rebelar contra o STF, por um motivo simples: quem nomeou oito dos 11 membros daquela corte foram os presidentes Lula e Dilma. Assim, atacar a cúpula do Judiciário - se a crítica for sincera - significa investir contra os responsáveis últimos por sua composição.


Tampouco os petistas podem ir muito fundo em suas investidas contra a imprensa, uma vez que o ministro Paulo Bernardo cuida zelosamente, na administração federal, para que nenhuma iniciativa sobre regulação dos meios de comunicação prospere no âmbito oficial. A ministra Helena Chagas, Secretária de Comunicação Social da Presidência da República, por sua vez, atua para que a presidenta conceda entrevistas exclusivas para a TV Globo e a revista Veja, entre outros, além de manter alentados contratos de publicidade governamental com esses e outros órgãos da grande mídia. Para a mídia alternativa, o regime é na base do pão é água, em geral sem um e outro.


Os membros do Partido dos Trabalhadores, alem disso, não podem ir muito além da superfície na crítica à mola mestra dos governos FHC, as privatizações. O PT no governo vendeu estradas, aeroportos, bancos estaduais, empresas de telefonia (na gestão Antonio Palocci, em Ribeirão Preto) e se esmera nas parcerias com as Organizações Sociais (OSs), modalidade de privatização disfarçada, criada nas gestões tucanas. Por isso, o partido – na figura do presidente da Câmara, Marco Maia – engavetou a CPI da Privataria, no início de 2012. Atacar os adversários equivaleria a se voltarem para as próprias responsabilidades na questão.


Indignação burocrática
Como tem agido a direção partidária? Não formula e não se defende. Justifica. Tenta explicar, num grande contorcionismo verbal, todas as ações da do governo.
Isso não mobiliza e não incentiva a saudável rebeldia de outros tempos.


Assim, a cúpula petista construiu o partido que queria. Os vídeos com falas monocórdias, mas pretensamente indignadas, de Rui Falcão, presidente da sigla, nas últimas semanas, veiculados pelo site do partido, são o melhor retrato da inércia dirigente.


Não é de se estranhar, depois disso tudo, que nem a popularidade recorde do governo – motivada por políticas positivas de aumentos do salário mínimo e expansão do crédito - incentive as lideranças a mudarem de posição e irem à luta. Tais iniciativas são positivas, mas parecem estar batendo no teto. Os serviços públicos seguem deficientes e não há no horizonte propostas de mudanças na estrutura do Estado.


O raciocínio que se vê entre petistas é algo como “com todos os ataques, Lula e Dilma seguem em alta”. Ou seja, “não se mexe em time que está apanhando”...


(Apesar de tudo, a mídia de direita deve ser frontalmente combatida, o sistema financeiro tem de ser enquadrado e o STF deve ser denunciado. Que presidentes da república tenham mais responsabilidade na hora de compor o órgão máximo da Justiça brasileira).

o meu quinhão


toda a gente anda ocupada com alguma coisa
a avó a fiar lã
com as suas mãos secas e enrugadas como pepinos
deixados no campo
depois das sementes lhes terem sido extraídas
está ocupada com alguma coisa;
o negociante que compra e vende terras
e o estudante que é avaliado
nas matérias que não lhe foram ensinadas
estão ocupados com alguma coisa;
o caixa do banco que se questiona sobre a relação
entre as suas mãos e o dinheiro que conta sem parar
e o adminsitrador que ontem casou a filha mais velha
o piloto que se prepara para um novo voo
com a sua mala que já viu tantos países
o bombeiro que passou um dia descansado
com as suas memórias de incêndios
o trabalhador que acorda para fazer o turno da noite
e a sua raiva adormecida
a galinha na capoeira anda ocupada com alguma coisa
preparando-se para os pintaínhos que parecem algodão-doce

e o que sobrou para mim foi escrever poesia.
 
salih boat

venezuela: o começo de uma nova etapa

Eric Nepomuceno, em carta maior 
Nas eleições regionais do domingo, 16 de dezembro, o Partido Socialista Unido da Venezuela, o PSUV do presidente Hugo Chávez, varreu o país: ganhou em 20 dos 23 estados. Entre os conquistados estão cinco que eram governados pela oposição. E, desses cinco, pelo menos dois têm sabor especial: Zulia, maior produtor de petróleo, e Carabobo, o terceiro mais populoso do país.

Já a oposição manteve o governo de Miranda, e essa foi uma vitória de importância capital: o vencedor, Henrique Capriles, o mesmo que foi amplamente derrotado por Hugo Chávez na recente disputa pela presidência, venceu Elias Jaua, que até outubro era o vice-presidente da República.

O resultado das eleições regionais é, de certa forma, bom para os dois lados. Para a oposição, porque manteve Capriles em evidência, reforçado por haver derrotado alguém muito chegado a Chávez. Depois de ter conseguido unir todos os oposicionistas ao redor de seu nome e obter uma votação significativa (cerca de 46%) em outubro, perder o governo de Miranda congelaria sua carreira. Com a vitória se confirma como principal nome oposicionista numa eventual nova eleição presidencial.

Para o PSUV de Chávez, o fato de conquistar 20 dos 23 governos em disputa reafirma sua consistente maioria no âmbito nacional, o que não deixa de ser uma sólida base para o inicio da nova e delicada etapa que se abre na Venezuela.

Qual nova etapa? A do desafio de manter a revolução bolivariana sem seu principal líder. Porque, a esta altura, está praticamente descartado que Hugo Chávez se recupere da cirurgia que fez em Cuba a tempo de assumir, no dia 10 de janeiro, seu quarto mandato presidencial. Só os especialmente otimistas ou os olimpicamente ingênuos acreditam nessa possibilidade.
Não foi à toa, e muito menos um gesto histriônico, o pedido de Chávez para que o povo bolivariano apoie Nicolás Maduro, nomeado seu sucessor.

É muito alta a possibilidade de que dentro de menos de dois meses os venezuelanos sejam novamente convocados às urnas para escolher seu presidente. Correm rumores de que se estaria procurando uma alternativa, como prorrogar o prazo para Chávez assumir. Ainda assim, convém se preparar para novas eleições.

Chávez, apesar de seu voluntarismo surpreendente e de sua ousadia muitas vezes desconcertante, é um político habilidoso e experiente. E, em momentos críticos, soube mostrar-se realista. Foi assim agora, quando exibiu friamente a realidade: são grandes a possibilidades de que ele não se recupere, ou não possa mais exercer plenamente a condução do processo político que inaugurou há treze anos. Um processo político tenso, que mudou a face do país e o cotidiano de milhões de venezuelanos e que certamente exige uma capacidade física que ele já não tem nem terá.

Admitiu com todas as letras que o que está em risco elevado é sua própria vida. Se voltar, não terá as condições de antes – mesmo considerando-se esse ‘antes’ como o último ano e meio, de extremos sacrifícios pessoais causados pelo câncer. Será um Chávez extremamente debilitado fisicamente: afinal, foram quatro operações prolongadas e complexas em pouco mais de dezoito meses.

O comandante da revolução bolivariana sabe disso, e deixou claro que a Venezuela começa a viver uma etapa de transição. Voltando ou não, o cenário será outro. Seu estado de saúde passou a ser um obstáculo quase intransponível para a condução do país.
Assim, de certa forma ele se despediu do poder. E essa despedida inaugura um período de profundas incertezas não só na Venezuela, mas em toda a América Latina.

Um aspecto merece atenção: a transição venezuelana está acontecendo muito antes do que se podia prever. Apesar de sua saúde debilitada, Chávez não demonstrava um estado tão grave como o que admitiu ao comunicar que iria se operar novamente e que por isso nomeava um sucessor. Sob muitos aspectos, é possível concluir que nem ele mesmo soubesse da sua verdadeira situação.

Diante desse quadro, as eleições do domingo 16 de dezembro foram um teste positivo para o processo político conduzido por Chávez até aqui. Conquistar 20 de 23 estados foi um passo importante. Miranda ficou onde estava, ou seja, com a oposição. Somados, o eleitorado de Zuila e Carabobo, agora em mãos chavistas, mais que dobra o do estado governado por Henrique Capriles. Além disso, em 12 desses 20 estados foram eleitos militares seguidores do comandante da revolução bolivariana.

Nicolas Maduro, se não sai muito fortalecido das eleições regionais – afinal, ele mal teve uma semana como presidente interino –, ao menos passou a pisar um terreno mais sólido para a disputa eleitoral que, a menos que ocorra um milagre, terá pela frente. Também no cenário externo ele conta com um apoio que tem reflexos nítidos entre os chavistas, principalmente nas Forças Armadas: é um interlocutor privilegiado dos cubanos. Raúl Castro manifestou ao presidente venezuelano, em mais de uma ocasião, sua simpatia pelo chanceler chavista. Isso talvez sirva para acalmar, no seu devido momento, os setores militares que preferiam ter um de seus pares nomeado sucessor de Chávez.

Já as muito diferentes e às vezes antagônicas correntes que integram o movimento bolivariano são mais difíceis de permanecer aglutinadas sem a figura centralizadora de Chávez. Seu sucessor, considerado negociador hábil, terá pela frente, em todo caso, um argumento importante e indiscutível: o país é, definitivamente, outro. A maioria da população foi beneficiada ao longo dos últimos 13 anos, e não aceitará facilmente pôr em risco suas conquistas, quer diante de uma oposição conservadora, quer diante de divisões internas dentro do próprio processo político atual.

obras de caridade


vigiar os polícias
ensinar os professores
confessar os padres
burlar os juristas
abater os talhantes
sangrar os médicos
condenar os juízes
difamar os críticos
morder os cães
comprar as batatas aos lavradores

alberto pimenta  -  portugal  (1937 -   )



canções quase sem palavras

1
Tão longe
o pássaro
voa
que entre ele e mim cabia qualquer fábula.

2
Há que escolher
entre ser a manhã
ou então escrevê-la.

3
Ó giesta amarela,
tão amarela,
tão,
que perdi o hábito.

4
Duma palavra a outra
a nuvem mudou com o vento
e uma mentira escrevi.

ulalume gonzález  - uruguai (1932 - 2009)
tradução: rua das pretas






o mundo em 2012

Emir Sader, em carta maior

Os marcos mais gerais do panorama internacional são a prolongação da crise econômica do capitalismo, iniciada em 2008, assim como os focos de enfrentamento militar promovidos pela hegemonia imperial norteamericana.

A crise, retomada com força em 2011, seguiu devastando as sociedades europeias, com seu foco concentrado na Grécia, em Portugal, na Espanha e na Itália, estendeu seus efeitos para o conjunto da economia europeia, que entrou em recessão. Teve continuidade a expropriação de direitos fundamentais da população, fazendo com que essa crise marque o fim do Estado de bem estar social, que caracterizou a Europa nas três décadas imediatamente posteriores à segunda guerra mundial.

Não há horizonte de recuperação econômica e de superação da crise para os próximos anos, fazendo com que a década inteira seja marcada por retrocessos. São os próprios fundamentos da unificação europeia – a unidade monetária – que estão em questão, sem que haja força política dos países mais vitimados pela crise, para recolocar em discussão as bases dessa unidade. A unificação, da forma como foi concebida e colocada em prática, terminou sendo uma armadilha, da qual a Europa não se mostra capaz de sair, pesando sobre o conjunto da economia internacional como um fator recessivo.

A economia norteamericana, por sua vez, às voltas com a difícil resolução dos seus déficits, ja não poderá desempenhas o papal de locomotiva da economia mundial. O crescimento da China, mesmo em patamar inferior ao das décadas passadas, segue sendo o fator dinâmico mais forte da economia mundial, aumentando proporcionalmente seu peso, em contraste com a estagnação dos EUA, da Europa e do Japão.

A América Latina passou pelo seu pior ano em termos de desempenho econômico, desde que conseguiu retomar um ciclo econômico expansivo, sob os efeitos da recessão internacional e da diminuição da demanda do centro do capitalismo.

De qualquer maneira, uma crise como a atual, no centro do sistema, que em outras circunstâncias teria levado a todos os nossos países a recessões profundas e prolongadas, conseguiu ser enfrentada apenas com a diminuição dos ritmos de crescimento. Porque a nova configuração da economia mundial já apresenta um mundo economicamente multipolar, de forma que nossas economias, com a diversificação da sua inserção internacional, puderam contar com o comercio com a Ásia, com a intensificação do comercio de integração regional e com a expansão dos mercados internos de consumo popular, para resistir à crise.

A perspectiva é de recuperação de ritmos um pouco maiores de crescimento econômico para 2013, porem sem voltar aos níveis que tivemos na década passada.

Do ponto de vista geopolítico, nos focos centrais de guerra – Iraque, Afeganistão, Palestina, Síria – se intensificara os conflitos. Ao anuncio da retirada das tropas do Iraque e do Afeganistão, não se corresponde uma diminuição do ritmo dos combates, das ações da resistência interna e das baixas das tropas de ocupação, não se prevendo uma normalização militar e tampouco estabilidade politica nesses dois países, que seguirão sendo epicentros de enfrentamentos militares.

A Palestina sofreu uma nova ofensiva contra Gaza e a continuidade da ocupação pela multiplicação dos assentamentos israelenses no seu território, mas o cenário politico teve mudanças, com o reconhecimento da Palestina como pais observador na ONU. A votação trouxe também a novidade do esfacelamento do bloco ocidental solidário com os EUA, com a quase totalidade dos países europeus votando a favor da Palestina ou se abstendo, deixando os EUA reduzido a aliados de pouca projeção.

Esse novo estatuto da Palestina representa a aceitação do seu Estado, assim como a possibilidade de participação em Tribunais internacionais, onde é possível a aprovação de condenações concretas de Israel pela ocupação da Palestina e por outras ações repressivas contra o povo palestino.

No entanto, não reaparece ainda em Israel uma força interlocutora desse amplo consenso internacional favorável à Palestina, que permita destravar a situação atual de bloqueio dos processos de paz e de reconhecimento formal do Estado palestino. Pode-se prever que se fortaleçam vozes dissidentes em Israel no futuro imediato, sob a pressão também dos EUA, que se desgasta ao se isolar no apoio às politicas belicistas de Israel.

O foco que mais intensificou os enfrentamentos militares foi a Síria. Desapareceram as mobilizações populares dos dois lados e a situação ficou totalmente marcada pelos bombardeios da parte do governo sobre zonas sob influência ou controladas pela oposição, e ações terroristas por parte desta.

Como tendência, se pode constatar um fortalecimento politico da oposição, com reconhecimento internacional quase generalizado, enquanto o governo sírio conta apenas com o apoio do Irã, da Rússia e da China, mas também sob os efeitos do enfraquecimento do governo de Assad, já se nota, pelo menos por parte da Rússia, um certo distanciamento em relação ao governo de Assad. O Irã mantem firmemente seu apoio, até porque sabe que a eventual queda do governo de Assad deixa o Irã como principal foco de ataques do bloco ocidental na região. Provavelmente se acelerarão os apoios militares externos à oposição, na busca de intensificar as pressões sobre o governo de Assad, com perspectivas de enfrentamentos ainda mais violentos no próximo ano, ate’ que se vislumbre uma solução à prolongada e violenta crise síria.

Na América Latina, o quadro atual tende a estabilizar-se, com a relativa recuperação econômica. No Equador Rafael Correa deve se reeleger em fevereiro, restando saber que tipo de maioria manterá no Congresso, diante das forças de direita e de ultra esquerda que se opõem ao governo.

As eleições no Paraguai tem previsões incertas, diante das duas principais forças opositoras – partidos Colorado e Liberal -, com as candidaturas mais fortes, pela divisão – até aqui – do campo de Fernando Lugo, com dois candidatos. Se chegarem a se unificar, podem ter chances de disputar a presidência.

A situação da Venezuela está na dependência da situação de saúde de Hugo Chavez. Caso ele possa tomar posse e o país possa evitar novas eleições presidenciais, as perspectivas imediatas são positivas, mesmo se Chavez não possa retomar seu cargo. Ainda com eleições eventuais, no imediato a herança de Chavez é suficientemente forte – confirmada pela eleição de governadores – para tornar favorito a Maduro para dar continuidade ao processo bolivariano na Venezuela.

Na Argentina o quadro de instabilidade tende a se prolongar, pelo menos até as eleições parlamentares, quando o governo se joga a possiblidade – pouco provável hoje – de conseguir 2/3 no Parlamento, para promover a reforma constitucional que permitiria a Cristina se candidatar a um terceiro mandato. Caso não consiga, se abre diretamente o clima de uma disputa aberta pela presidência na sucessão de Cristina. Caso essa maioria seja obtida, Cristina seria favorita – mesmo que enfraquecida em relação à eleição anterior – para seguir como presidente.

No cenário continental, a maior novidade é a extensão do Mercosul, com o ingresso da Venezuela e da Bolívia, e a provável entrada próxima do Equador. Esse novo panorama rompe com os círculos viciosos de disputa por corporações privadas brasileiras e argentinas por mercados, permitindo que o Mercosul venha a dispor de um efetivo projeto de integração econômica, social, tecnológica, educacional, de meios de comunicação – entre outras esferas. O Mercosul passará a dispor de uma homogeneidade que entidades como o Mercosul, por exemplo, não dispõe, por este conter países que tem Tratados de Livre Comércio com os EUA. Essa nova configuração do Mercosul pode ser a maior novidade no processo de integração regional na segunda década de governos progressistas na América Latina.

20/11/2012

ato de contrição - parada de beira de estrada

por várias semanas, no ano de 2000, eu  acompanhei as idas desse senhor a  uma pracinha perto de onde eu morava, aqui no centro de vitória.
sempre após o almoço, e sempre solitário, calado e meio que melancólico.
algum tempo depois eu vi que era mais um dos milhares de catadores de papel e de quinquilharias,  que vagam pelas esquinas
e lixos das cada vez mais absurdas cidades dos homens. 

e suas idas à pracinha me pareciam uma espécie de parada de beira de estrada, um repouso, um intervalo na sua solitária e anômina jornada em meio à cidade. 
somente consegui registrar suas idas e vindas em três ocasiões - ele sempre usava as mesmas duas camisas, na maior parte dasa vezes com uma sacola de plástico nas mãos, certamente a carregar suas parcas coisas. 
e o que me chamava  a atenção era o fato de ser uma parada na qual o peregrino  não se permitia nem mesmo se sentar ou se deitar num dos bancos da pracinha, como qualquer andarilho o faria.

como se um resto de dignidade o impedisse de demonstrar que era apenas mais um andarilho, um catador de coisas, de restos.
ou como se se estivesse a fazer -  ali em pé, solitário e silencioso - um espécie de ato de contrição.

um ato de contrição pelo pecado, pela falha de não ter sabido, ao longo da vida, tornar-se minimamente um vencedor, por não ter aprendido a se comportar de maneira minimamente obediente, disciplinada, ou apenas esperta, em meio à vitoriosa estupidez da civilização ocidental.

quem está na idade média: gaza ou israel?


Ódio e Negócios
por Laerte Braga - trechos


Estão juntos na barbárie nazissionista contra palestinos. O ódio bíblico da presunção de superioridade racial, de missão divina, os “negócios”, nos saques e na pirataria contra vidas e riquezas palestinas. Pior. Esse ódio e esses “negócios” se espalham pelo mundo no cinismo que caracteriza os sucessores de Hitler.

“Vamos levar Gaza de volta à Idade Média”. Foi a declaração de um dos ministros do gabinete terrorista de Tel Aviv. Ficou estampada em todos os jornais do mundo. Não havia como esconder. Os vídeos e fotos de corpos de crianças, mulheres, idosos mortos na insanidade fingida, na falsa indignação de quem ocupa terras alheias são universais e se incorporam à História da crueldade em todos os tempos.


Os ataques de Israel contra Gaza são crime de genocídio e têm o apoio de nações como os Estados Unidos e sua principal colônia na União Européia, a Grã Bretanha. O sangue de palestinos corre por todo o mundo despertando a revolta de seres humanos que ainda se mantêm como tal.


Os corpos estendidos, os olhares aflitos, a dor, a revolta, são da incompreensão de tanto ódio, de tantos “negócios”.


O governo terrorista de Israel se apropriou de terras e águas palestinas. No caso da água uma empresa sionista explora o bem em terras palestinas e cobra o dobro de palestinos. São ladrões contumazes ao longo da história. E curiosamente o Alcorão proíbe a cobrança de juros. É uma diferença abissal entre o ódio e os “negócios” e simplicidade de pastores de ovelhas, agricultores expulsos de suas terras, cercados por um muro e atemorizados por batalhões de homens bestas, ou bestas feras armados até os dentes e sem o menor brilho humano nos olhos. 

Em Gaza os palestinos vivem da produção de flores e frutas, entre outras atividades primárias, mas ricos em sua essência. As flores estão sendo mortas e não estão “vencendo canhões”.

Parar com esse horror? Basta que os chamados grandes queiram fazê-lo. Israel deixou de ser um direito de um povo – a despeito dos protestos de judeus em todo o mundo contra o seu governo – para se transformar naquilo que Einstein, ainda no final da década de 40 e início da década de 50, previa. Criminosos no governo.

É uma falácia a afirmação que foguetes do Hamas atingem Jerusalém. São rojões perto do arsenal químico (fósforo branco) e nuclear (urânio empobrecido) dos terroristas de Tel Aviv. Ou de Treblinka, difícil dizer a diferença.

É inexplicável o silêncio de governos do Egito, da Jordânia, dos países muçulmanos diante do massacre inaceitável. É um silêncio que soa como punhalada. (...)
(...) É ódio e são “negócios”.
A judiação imposta ao povo palestino só encontra paralelo nos campos de concentração do 3º Reich.
Vivemos o apogeu insano do 4º Reich.

Começam a soprar ventos de insatisfação nos EUA. Nem os norte-americanos agüentam mais tanta violência e tanta crueldade.
Bem fez Chávez que, em 2006, percebendo o perigo da suástica transformada em cruz de Davi expulsou de seu país todo o corpo diplomático israelense da Venezuela.


Não basta pedir paz. Que paz? Há que ter ser liberdade para a Palestina. O Estado Palestino como decidido pela ONU.
Há que se cumprir as mais de 50 resoluções da ONU que condenam Israel por práticas terroristas, tais como uso de força excessiva (eufemismo para barbárie), armas químicas, biológicas, tortura, estupros, assassinatos seletivos.
Israel nunca quis a paz e quando a paz se ofereceu Israel matou seu próprio líder, Itzak Rabin. Atribuíram o crime a um “fanático” judeu. Se sabe, hoje, que era um agente do MOSSAD abrindo caminho para os terroristas; à frente, Ariel Sharon.
A sanha bárbara e terrorista de Israel quer terras, quer negócios, quer juros nos seus bancos, usa a bíblia como escudo, no fundo têm a convicção que são superiores.
Superiores sim na insanidade.
 
*****************
 
A íntegra do texto está aqui

19/11/2012

guaranis-kaiowás x veja: direito de resposta

Campanha reivindica direito de resposta aos guaranis-kaiowás

A fúria conservadora contra o reconhecimento dos direitos constitucionais dos índios guarani-kaiowá ganha corpo na mesma proporção em que a campanha em prol da etinia ocupa mais e mais espaços, nas ruas e nas redes sociais de todo o mundo. E neste processo, a mídia conservadora, como era de se imaginar, se torna terreno fértil para a propagação de todo tipo de preconceitos e inverdades históricas contra as populações indígenas. É neste ambiente que índios e defensores dos direitos humanos se uniram para lançar a campanha “Direito de resposta aos Guarani-Kaiowá Já!”, direcionada à revista Veja, precussora dos ataques.

“A escrita, quando você escreve errado, também mata um povo”, afirmaram professores guaranis-kaiowás a respeito da matéria “A ilusão de um paraíso”, publicada na edição de 4/11. De acordo com os organziadores da campanha, a matéria é “claramente parcial no que diz respeito à situação sociopolítica e territorial em Mato Grosso do Sul, pois afirma que os indígenas querem construir ‘uma grande nação guarani’ na ‘zona mais produtiva do agronegócio em Mato Grosso do Sul’”.
Também distorce à atuação política de grupos indígenas supracitados e órgãos atuantes na região, “desmoralizando os primeiros ao compará-los, ainda que indiretamente, a ´massas de manobra´ das organizações supostamente manipuladoras e com uma ´percepção medieval do mundo´.

A campanha classifica a matéria como irresponsável e criminosa, por estimular medo, ódio e racismo. Um exemplo? “O resto do Brasil que reze para que os antropólogos não tenham planos de levar os caiovás (sic) para outros estados, pois em pouco tempo todo o território brasileiro poderia ser reclamado pelos tutores dos índios”, afirma o texto da revista.

A postura de Veja não é isolada. Hoje, foi a vez da Folha de São Paulo ceder espaço para um outro texto-síntese do pensamento conservador brasileiro. O artigo de Luiz Felipe Pondé aparentemente se volta contra os adultos que aderiram à defesa da causa guarani-kaiowá e uniram o nome da etnia aos seus próprios nas redes sociais. Os militantes virtuais são chamados de loucos, ridículos e mediocres, entre outros adjetivos de nível idêntido.

Mas o pano de fundo do texto também é atacar a causa do povo indígena também é duramente atacada. “Desejo que eles arrumem trabalho, paguem impostos como nós e deixem de ser dependentes do Estado. Sou contra parques temáticos culturais (reservas) que incentivam dependência estatal e vícios típicos de quem só tem direitos e nenhum dever. Adultos condenados a infância moral seguramente viram pessoas de mau-caráter com o tempo”, diz um trecho do artigo.

Participe da campanha.

somos todos gaza



transcrito  de   resistir

13/11/2012

josé dirceu: não acabou

"Esse processo viola a Constituição e o Estado Democrático de Direito"

por José Dirceu, em  carta maior

Dediquei minha vida ao Brasil, a luta pela democracia e ao PT. Na ditadura, quando nos opusemos colocando em risco a própria vida, fui preso e condenado. Banido do país, tive minha nacionalidade cassada, mas continuei lutando e voltei ao país clandestinamente para manter nossa luta. Reconquistada a democracia, nunca fui investigado ou processado. Entrei e saí do governo sem patrimônio. Nunca pratiquei nenhum ato ilícito ou ilegal como dirigente do PT, parlamentar ou ministro de Estado. Fui cassado pela Câmara dos Deputados e, agora, condenado pelo Supremo Tribunal Federal sem provas porque sou inocente.

A pena de 10 anos e 10 meses que a suprema corte me impôs só agrava a infâmia e a ignomínia de todo esse processo, que recorreu a recursos jurídicos que violam abertamente nossa Constituição e o Estado Democrático de Direito, como a teoria do domínio do fato, a condenação sem ato de ofício, o desprezo à presunção de inocência e o abandono de jurisprudência que beneficia os réus.

Um julgamento realizado sob a pressão da mídia e marcado para coincidir com o período eleitoral na vã esperança de derrotar o PT e seus candidatos. Um julgamento que ainda não acabou. Não só porque temos o direito aos recursos previstos na legislação, mas também porque temos o direito sagrado de provar nossa inocência.

Não me calarei e não me conformo com a injusta sentença que me foi imposta. Vou lutar mesmo cumprindo pena. Devo isso a todos os que acreditaram e ao meu lado lutaram nos últimos 45 anos, me apoiaram e foram solidários nesses últimos duros anos na certeza de minha inocência e na comunhão dos mesmos ideais e sonhos.

08/11/2012

poema de finados - 2

e como condenados

e como condenados
por trás de horas desapiedadas
ao vento confiamos
clandestinas mensagens, testemunhos
de que passamos, de que compreendemos
e tivemos um breve senhorio

para que ninguém
nos confunda
amanhã com o nada.

miguel d'ors - espanha  (1946  -   )
veja também poema da casa assassinada

06/11/2012

o bangue-bangue paulista: a cidade quer saber

 transcrito de  carta maior

(antes de passar propriamente ao texto de Carta Maior, vale registrar o comentário de um leitor, publicado no mesmo site:
Baco diz: Eu não entendo esse governo do PT. O PT sob fogo cruzado intenso-via mídia empresarial e "mini-ministros" do STF. E o Governo Federal se prontifica a ajudar ao governo do PSDB, que é o responsável direto por essa violência. Tinha que deixar eles solicitarem socorro e não socorre-los!
Na verdade, caro Baco, você não deixa de ter um pouco de razão, mas ocorre que é isso que diferencia um governo popular, ou ao menos progressista, de um governo despersonalizado e pró-elite: a generosidade e o compromisso sério com a vida e a dignidade das pessoas em primeiro lugar. E valeu pelo 'mini-ministros'. Ao texto de Carta Maior) 
  
*****************************

A criação de uma agência de cooperação e inteligência entre o governo de São Paulo e Brasílial é a primeira providência estrutural diante da pasmaceira de violência e incompetência que assola a maior e mais rica capital do país.

Com mais cinco assassinatos verificados na madrugada desta 3ª feira, São Paulo atingiu a apavorante marca de 290 homicídios nos últimos 60 dias. A marca da 3ª feira ficou dentro da média do período: quase 5 mortes (4,8) por dia.

O padrão equivalente a cerca de 150 mortes por mês é mais que o dobro do descalabro registrado em Ciudad Juarez, a capital conflagrada do narcotráfico mexicano. De janeiro a setembro deste ano Ciudad Juarez recolheu uma média mensal de 65 cadáveres de suas ruas, entre corpos baleados e algumas cabeças decapitadas.

São Paulo não é Ciudad Juarez. Assiste-se aqui a um surto; uma irrupção refletida no aumento de 90% no total de homicídios dos últimos dois meses, em relação ao bimestre equivalente de 2011.

Um surto de execuções, melhor dito. E isso guarda semelhança com o padrão de Ciudad Juarez. Lá e cá a matança em nada se confunde com latrocínio, o roubo seguido de morte, tampouco é fruto de confrontos eventuais entre policiais e bandidos. Esses são casos de contabilidade distinta.

A sangria desatada que interliga tristemente as estatísticas das duas cidades reflete a morfologia de uma violência planejada. Há listas de mortes programadas e jagunços a campo. Portanto, é mais assustador ainda.

O acerto de contas acontece nas ruas da maior e mais rica cidade brasileira, no estado cuja segurança pública é ordenada há 18 anos por governos do PSDB. A nominação é pertinente na medida em que a proficiência na matéria sempre foi um apanágio reclamado pelos tucanos. O que houve então?

Há 60 dias, alternam-se em toda a região metropolitana paulista execuções de policiais e civis. Noventa e dois policiais militares foram fuzilados em situações semelhantes desde o início do ano. Média de nove corpos por mês. A maioria, fora de serviço, vestida à paisana, muitas vezes próxima da residência ou dentro dela. Parentes também foram alvejados.

Até a semana passada, o governo do PSDB paulista repetia a cada enterro: temos o controle. Na 5ª feira depois das eleições, um telefonema da Presidenta Dilma ao tucano Geraldo Alckmin desfez a encenação: o governo de SP aceitou a ajuda federal para tentar conter a guerra. Nesta 3ª feira surgiram as primeiras iniciativas, como a da agencia de cooperação.

Outras providências de sensatez desconcertante pelo ineditismo serão tomadas a partir de agora. Líderes do PCC serão transferidos para presídios federais de segurança máxima.

Hoje, eles estão espalhados em cárceres do sistema prisional paulista sabidamente saturado e, é quase uma delicadeza colocar as coisas assim, co-administrados pelo crime.

A inteligência federal ajudará a deslindar um dos mistérios mais guardados pela cúpula tucana: quem está matando quem, e por qual motivo?

Documentos apreendidos em batidas policiais feitas em favelas comprovam a deliberada aritmética da morte comandada de dentro das prisões: dois policiais por bandido morto.

Há, ainda, a suspeita de um ajuste de contas entre milícias compostas de policiais da PM paulista fora do expediente e traficantes ligados ao PCC.

Os dois lados estariam redesenhando a chumbo e sangue os perímetros de controle do jogo clandestino e do comércio de drogas. É uma das hipóteses da investigação.

Sobram perguntas numa crise encoberta pelo lacre da opacidade conveniente à leniência oficial e ao matador clandestino. A cidadania tem o direito de saber o que se passa. E mais que isso, de arguir o que deixou de ser feito a ponto de se ter, não pela primeira vez, diga-se, a maior cidade brasileira ao sabor de bandos e balas fora do controle. Sobretudo, tem o direito de cobrar as providencias para que o horror cesse -- e a sua ameaça não se repita.

Assusta a opinião progressista de São Paulo que até hoje a sua Assembleia de representantes não tenha tido a coragem, e a responsabilidade soberana, de convocar uma Comissão Parlamentar de Inquérito para tirar a segurança da sarjeta onde bandos armados disputam o território com a incompetência desarmada pela soberba e o interesse eleitoral. Ainda é tempo.

03/11/2012

poema de finados - 1

poema da casa assassinada

a casa abandonada foi encontrada.
e olhá-la do lado de fora, parece
ainda mais abandonada.

por segurança, melhor mesmo é
manter-se distante.
não haveremos de nos lembrar ?

pois somos nós, eternamente
o planeta das criaturas abandonadas.
como meninos largados
numa rua  qualquer do cosmos.

então de vez em quando cheiremos
alguma cola pela vida afora.

 e salve Proust:
''Mas quando nada subsiste de um passado remoto, após a morte das criaturas e a destruição das coisas, sozinhos, mais frágeis, porém mais vivos,mais imateriais, mais persistentes, mais fiéis,o odor e o sabor permanecem ainda por muito tempo,como almas, lembrando, aguardando,esperando, sobre as ruínas de tudo o mais, suportando sem ceder, em sua gotícula impalpável, o edifício imenso da recordação."
vicente gonçalves - belo horizonte, minas

********************
Na verdade, na versão original do poema que Vicente Gonçalves enviou, o 7° e 8° versos eram assim:
Seremos nós,eternamente o
pais dos (menores) abandonados.
Gosto muito dos poemas de Vicente, e trocamos algumas idéias acerca de seus versos.
Desta feita, chegamos à conclusão de que a nova versão dos citados versos ganhou em amplitude, já que agora a denúncia não é apenas social, ou histórica - ela se trona cósmica, metafísica, fala da mistura de admiração e perplexidade, de desorientação  e impotência, ás vezes até mesmo de mágoa e de tédio, essas impressões que nos  perseguem quando desistimos de compreender o propósito último, claro e inquestionável de termos sido lançados  no meio do ser e do tempo (sem maiores explicações) pelos desígnios de uma potência até hoje desconhecida e para  a qual danos nomes vários: Ser, Cosmos, Espírito, Deus, Alah, Javé, Energia, Big Bang, Força, Tao etc etc etc. 

Na peculiar e comovente ironia que marca seus poemas, também acima  Vicente Gonçalves fecha bem a questão: já que numa etapa qualquer do tempo e do espaço, foi-nos dada a desgastante exigência, ou a privilegiada tarefa, de não mais cumprirmo-nos como pacificados animais, então  precisamos de uma forma ou de outra cumprir nosso compromisso histórico e/ou espiritual, entrar de fato no jogo, "cheirar uma cola qualquer", seja ela a cola da revolução, da fé, do ninho familiar, do poder ou do dinheiro, ou mesmo a 'cola' da arte, do poema, mesmo que às vezes a 'cola' de um poema irônico-desistente.

26/10/2012

a última eleição sob a tutela da Globo

(trechos transcritos de artigo publicado em carta maior)

A sólida dianteira de Haddad em SP, reafirmada pelo Ibope e o Datafolha desta 5ª feira, deixa ao conservadorismo pouca margem para reverter uma vitória histórica do PT; talvez a derradeira derrota política do seu eterno delfim, José Serra. Ainda assim há riscos. Não são pequenos. Eles advém menos da vontade aparentemente definida do eleitor, do que da disposição midiática para manipulá-la, nas poucas horas que antecedem o pleito de domingo.

Há alguma coisa de profundamente errado com a liberdade de expressão num país quando, a cada escrutínio eleitoral, a maior preocupação de uma parte da opinião pública e dos partidos, nos estertores de uma campanha como agora, desloca-se propriamente do embate final de idéias, para prevenir-se contra a 'emboscada da véspera''.
Não se argui se ela virá; apenas como e quando a maior emissora de televisão agirá na tentativa de raptar o discernimento soberano da população, sobrepondo-lhe seus critérios, preferências e interditos.
Tornou-se uma aflita tradição nacional acompanhar a contagem regressiva dessa fatalidade.

Em qualquer sociedade democrática uma vantagem de 15 pontos como a de Haddad seria suficiente para configurar um pleito sereno e definido.
Mas não quando uma única empresa possui 26 canais de televisão, dezenas de rádios, jornal impresso, editora, produção de cinema, vídeo, internet e distribuição de sinal e dados.

Tudo isso regado por uma hegemônica participação no mercado publicitário, inclusive de verbas públicas: a TV Globo, sozinha, receberá este ano mais de 50% da verba publicitária de televisão do governo Dilma.

Essa concentração anômala de munição midiática desenha um cerco de incerteza e apreensão em torno da democracia brasileira. Distorce a vida política; influencia o Judiciário; corrompe a vaidade de seus membros; adestra-os, como agora, com a cenoura dos holofotes a se oferecerem vulgarmente, como calouros de programas de auditório, ao desfrute de causas e interesses que tem um lado na história. E não é o do aperfeiçoamento das instituições nem da Democracia.

O conjunto explica porque, a três dias das eleições municipais de 2012, pairam dúvidas sobre o que ainda pode acontecer em São Paulo, capaz de fraudar a eletrizante vitória petista contra o adversário que tem a preferência do conservadorismo, a cumplicidade dos colunistas 'isentos',a 'independência' do Judiciário e a torcida, em espécie, da plutocracia.
Não há nessa apreensão qualquer traço de fobia persecutória. 

Mencione-se apenas a título ilustrativo três exemplos de assalto ao território que deveria ser inviolável, pelo menos muitos lutaram para que fosse assim; e não poucos morreram por isso.

Em 1982, a Rede Globo e o jornal O Globo arquitetaram um sistema paralelo de apuração de votos nas eleições estaduais do Rio de Janeiro.
Leonel Brizola era favorito, mas o candidato das Organizações Globo, Moreira Franco, recebera privilégios de cobertura e genuflexão conhecidos. Os sinais antecipavam o estupro em marcha das urnas.

Ele veio na forma de um contagem paralela - contratada pela Globo - que privilegiaria colégios do interior onde seu candidato liderava, a ponto de se criar um 'consenso' de vitória em torno do seu nome.
O assédio só não se consumou porque Brizola recusou o papel de hímen complancente à fraude.

O gaúcho recém chegado do exílio saiu a campo, convocou a imprensa internacional, denunciou o golpe em marcha e brigou pelo seu mandato. Em entrevista histórica --ao vivo, por sua arguta exigencia, Brizola denunciou a manobra da Globo falando à população através das câmeras da própria emissora.

Em 1983 os comícios contra a ditadura e por eleições diretas arrastavam multidões às ruas e grandes praças do país.
A Rede Globo boicotou as manifestações enquanto pode, mantendo esférico silêncio sobre o assunto. O Brasil retratado em seu noticioso era um lago suíço de resignação.
No dia 25 de janeiro de 1984, aniversário da cidade, São Paulo assistiu a um comício monstro na praça da Sé. Mais de 300 mil vozes exigiam democracia, pediam igualdade, cobravam eleições.

O lago tornara-se um maremoto incontrolável. A direção editorial do grupo que hoje é um dos mais aguerridos vigilantes contra a 'censura' na Argentina, Venezuela e outros pagos populistas, abriu espaço então no JN para uma reportagem sobre a manifestação. Destinou-lhe dois minutos e 17 segundos.

Compare-se: na cobertura do julgamento em curso da Ação penal 470, no STF, o mesmo telejornal dispensou mais de 18 minutos nesta terça-feira a despejar ataques e exibicionismos togados contra o PT, suas lideranças e o governo Lula.

Em 1989, o candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Collor de Mello realizariam o debate final de uma disputa acirrada e histórica: era o primeiro pleito presidencial a consoliar o fim da ditadura militar.
No confronto do dia 14 de dezembro Collor teve desempenho pouco superior ao de Lula. Mas não a ponto de reverter uma tendência de crescimento do ex-líder metalúrgico; tampouco suficiente para collorir os indecisivos ainda em número significativo.

A Globo editou o debate duas vezes. Até deixá-lo 'ao dente', para ser exibido no Jornal Nacional.
Collor teve um minuto e oito segundos a mais que Lula; as falas do petista foram escolhidas entre as suas intervenções mais fracas; as do oponente, entre as suas melhores.

Antes do debate a diferença de votos entre os dois era da ordem de 1%, a favor de Collor; mas Lula crescia. Depois do cinzel da Globo, Collor ampliou essa margem para 4 pontos e venceu com quase 50% dos votos;Lula teve 44%. As consequências históricas dessa maquinação são sabidas.

A indevida interferência avulta mais ainda agora. Há sofreguidão de revide e um clima de 'agora ou nunca' no quase linchamento midiático promovido contra o PT, em sintonia com o calendário e o enrêdo desfrutáveis, protagonizados por togas engajadas no julgamento em curso do chamado mensalão'.

Os governantes e as forças progressistas brasileiras não tem mais o direito --depois de 11 anos no comando do Estado- de ignorar esse cerco que mantem a democracia refém de um poder que só a respeita enquanto servir como lacre de chumbo de seus interesses e privilégios.
A conivência federal com o obsoleto aparato regulador do sistema de comunicações explica um pedaço desse enredo. Ele esgotou a cota de tolerância das forças que elegeram Lula e sustentam Dilma no poder.
O país não avançará nas trasformações econômicas e sociais requeridas pela desordem neoliberal se não capacitar o discernimento político de mais de 40 milhões de homens e mulheres que sairam da pobreza, ascenderam na pirâmidade de renda e agora aspiram à plena cidadania.

A histórica obra de emancipação social iniciada por Lula não se completará com a preservação do atual poder de veto que o dispositivo midiático conservador detém no Brasil.

Persistir na chave da cumplicidade, acomodação e medo diante desse aparato tangencia a irresponsabilidade política.
Mais que isso: é uma assinatura de contrato com a regressão histórica que o governo Dilma e as forças que o sustentam não tem o direito de empenhar em nome do povo brasileiro.

Que a votação deste domingo seja a última tendo as urnas como refém da rede Globo, dos seus anexos, ventrílocos e assemelhados. Diretas, já!
Esse é um desejo histórico da luta democrática brasileira. Carta Maior tem a certeza de compartilhá-lo com seus leitores e com a imensa maioria dos homens e mulheres que caminharão para a urna neste domigo dispostos a impulsionar com o seu voto esse novo e inadiável divisor da nossa história.
Bom voto.

24/10/2012

supremo político

por Lincoln Secco (*),  transcrito de  Vi o Mundo

Conta-nos George Duby que no século XII o cavaleiro Guilherme Marechal descobriu uma jovem dama e um monge em fuga. Ao saber que se dirigiam a uma cidade para empregar seu dinheiro a juros, ele ordenou a seu escudeiro que lhes retirassem o dinheiro. Para ele aquilo não era roubo! Ele não tocou na jovem, não impediu que continuassem e nem lhes tomou a bagagem. Nem mesmo quis ficar com o dinheiro tomado pelo escudeiro. É que para a moral da cavalaria o metal era vil, a acumulação desonrada e a usura um pecado.
Ninguém nos dias de hoje concordaria com aquele “Direito Medieval”. Todo o Direito corresponde ao seu tempo e à leitura política que predomina numa sociedade.

No caso do Supremo Tribunal Federal, a sua natureza política se torna quase transparente. É que os juízes do STF não fazem concurso, eles são indicados. A Constituição garante ao Presidente da República e à maioria que ele constitui no Senado Federal, o poder de interferir na sua composição.

Dessa forma é dever constitucional do presidente nomear pessoas que estejam de acordo com a correlação de forças políticas que a população livremente estabeleceu pelo voto. Quando Fernando Henrique Cardoso foi eleito, ele nomeou juízes que estavam afinados com o seu projeto liberal de privatizações. Nomeou pessoas que deveriam criar o ordenamento jurídico dentro do qual ele ergueu o modelo econômico escolhido pelo povo. Caberia aos juízes inviabilizar questionamentos que duvidassem das privatizações, por exemplo.
Em 2002 o povo escolheu um novo modelo de desenvolvimento oposto ao anterior e era esperado do presidente que nomeasse para o STF juízes que calçariam o sua opção pelo social com uma segurança jurídica mínima que impedisse ações contra sua política de cotas ou seus programas de transferência de renda, por exemplo. Mas, ao contrário de FHC, Lula seguiu uma interpretação errônea do que seria a República.

Ocorre que se o STF não é politizado pelo presidente ele o é pela oposição. É que o Direito não é só um conjunto de fatos ou normas, como rezam os positivistas, mas a expressão de uma relação de poder. Se um lado hesita em exercê-lo o outro o fará. Nada disso atenta contra a Democracia. Esta é apenas a forma de um domínio encoberto pelo consenso da sociedade. A violação do direito ocorre se um dos lados usa a força e se põe fora da legalidade.

Até ontem, o consenso jurídico era o de que na dúvida prevalecia a absolvição do réu. Cabia ao acusador fornecer a prova, e não o contrário. Provas não podiam ser substituídas pela crença espírita de que uma pessoa devia necessariamente conhecer determinado fato. Todo cidadão tinha o direito de ser julgado em mais de uma instância.

No século XIX havia escravos que iam às barras do tribunal para requerer a liberdade alegando que teriam ingressado cativos no Brasil depois da proibição do tráfico. E quando perdiam num Tribunal da Relação, podiam recorrer até a última instância, embora a nossa mais alta corte defendesse a escravidão.

No Estado Novo esta mesma corte autorizou a entrega de uma judia comunista para morrer nas Câmaras de Gás de Hitler. Esteve dentro da estrita legalidade de uma Ditadura. Em 1988 recebemos um ordenamento jurídico resultante da luta contra o terrorismo de Estado que imperou no Brasil depois de 1964.

A condenação de José Dirceu mostra que o consenso de 1988 mudou. Doravante, empresários, políticos e lideres de movimentos sociais terão grande dificuldade de se defender no STF.
A não ser que o julgamento tenha sido de exceção!

Neste caso, tudo voltará a ser como antes. Mas então a ilusão que a esquerda acalentou na democracia será posta em causa e ela poderá se voltar aos exemplos tão temidos pela oposição, como a Argentina, a Bolívia, o Equador e a Venezuela.

(*) Lincoln Secco é professor do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP